Under user's 2007-2017 © Copyright only the texts signed by Karinna Alves Gulias - all rights reserved. I made sure all shared contents have their respective references; if you find any without, please let me know.

Search this blog

30 May 2008

Pele do Mundo

A morte é sem vontades.

***

Filho descobriu que a pele é a alma do mundo.
Rasgou todas para si
e o céu passou a ser sua medida.

As nuvens [poeiras do vazio,
avisaram a marca de futuro
pela língua das cigarras.

As cigarras então passaram a esvaziar-se.
Suas línguas incharam com a água do céu.

***

[Engodo]

A nuvem não vê o homem próximo a espelhos.

Parte I - A Primeira História

[O que não é]

Uma mãe feita para criar bois [espelhados],
administrar a base da terra para a permanência.
Fez um filho com a massa negra da noite.

Uma mãe feita para criar bois [gigantes]
e aumentar a sua sombra.

Acendeu velas
para o dia em que seria dona de cria.
Com o movimento,
seu nome mudou-se para outra casa;
pertence a outro número. A outro ofício.

Na mudança:
— De todos os rios por que passou,
ficou-lhes terços de seu cabelo, agora branco,
como espuma de mar.

À noite os rios a visitavam e derramavam
transparências em seu peito. De seu ventre, então,
nasceram cabelos de estrelas e espumas de mar. —

Mais uma vez seu nome foi mudado de casa,
até a vontade se retrair.
Seus cabelos caíram e o nome passou a ser:
poca sombra
e por fim
Nasceu um menino.

1 May 2008

No 1









O espantalho aceita a praga
e olha para o abismo, sem olhos.

23 April 2008

Outras Notícias

Não vou às rimas como esses poetas
que salivam por qualquer osso.
Rimar Ipanema com morena
é moleza,
quero ver combinar prosaicamente
flor do campo com Vigário Geral,
ternura com Carandiru,
ou menina carinhosa / trem pra Japeri.
Não sou desses poetas
que se arribam, se arrumam em coquetéis
e se esquecem do seu povo lá fora.

(Poema de Ele Semog / Cadernos Negros: os Melhores Poemas, 1998, p.58)

22 April 2008

No 2











http://sofoto.wordpress.com/2007/03/09/janela/

20 April 2008

O Reflexo de K. R.

O espelho
Não é uma fronteira
Cercada de uz
Se parece mais com o que divisa um lago

Ou com a imagem da nuvem que toca sem tocar
esse lago do nosso olhar.

Poema de Marcelo Ariel, do se novo livro:
Tratado dos Anjos Afogados

14 April 2008

John Donne

"O que o meu Anjo branco põe não é
O cabelo mas sim a carne em pé."

A Permanência das Coisas

"Hoje, na cultura de massa, na sociedade de consumo, desenvolveu-se o menosprezo pelas coisas. as coisas não duram. as coisas não têm permanência nem relação com o homem. elas, por si, são perecíveis e pedem a sua destruição na exigência de uma reatualização de mercado. as coisas são destruídas para manutenção da subjetividade daquele que a destrói. a coisa não é mais sagrada. sem o sagrado não há a reverência e a gratidão por tudo o que se consome. consumo tornou-se expressão e destruição. antigamente as coisas duravam uma vida. envelheciam com o homem. a vida em verdade passou hoje a ser uma contagem de duração das coisas.

O poeta deve amor pelas coisas. ele precisa compreendê-las, caso contrário sempre estará restrito a sua individualidade. será sempre o poeta de si mesmo. o cantor do eu. ser poeta é habitar o entreato das coisas."


Trecho do texto de Márcio-André retirado de:
http://www.confrariadovento.com/revista/numero2/marcioandre.htm

8 March 2008

A CIDADE

os limites da cidade nos limites de nosso corpo

..............sobra de uma outra cabeça
este corpo
..............estriado nas extremidades
este corpo
..............dado por alghém
entrevisto
..............nos ângulos
..............dos ângulos...... de um labirinto —


..............a cidade começa nas tardes
à noite
..............oferta uma vinha de luzes]

..............[.. ]
..............[ ..]

e um dia
..............no fim da rua
a cidade encontrará outra cidade
..............outro labirinto entre labirintos


poema de Márcio-André

Guimarães Rosa

O que é a rede:

"uma porção de buracos amarrados com barbante"

frase de Guimarães Rosa

Dança em Depósito

Os Gizes Depositados
são montados do Pó dos pés

As pessoas Giram

As Casas Povoam os pés
das pessoas que as circulam

Nas silhuetas tensas das casas
[com o andar mais fundamentado]
a Luz se Firma nas Paredes.

Depósito

Os Carretéis nos Depósitos
são de onde se desenrolam famílias perecíveis.

10 February 2008

Contos do Céu

Milho

Todas as pessoas de grãos vivem até que os transformem. Para se pensá-los é preciso considerar que se pode armazená-los, em estocagem de grãos. A abertura para o armazenamento é o fundamento para a consideração das pessoas.


As pessoas que morem naquele bairro, onde o solo é propício, são amassadas até fazer um purê. A partir daí alguém os coloca em esterilização, partindo para a liquefação, o que facilita o transporte, sem a necessidade de gasodutos, caríssimos; apenas de carros criogênicos. A sacarificação, por final, é feita, simultaneamente com a fermentação.


Pessoas decantadas até que deixem de ser, pois são divididas em gás e líquido. A metafísica, portanto, nossa grande criadora de álcool anidro carburante; já que, sem ela, nada decantado andaria.

Do milho, debulhado e amassado, lavado, secado, decantado, temos a sublime transformação em álcool de qualidade industrial – álcool anidro: destilação azeotrópica ou por peneira molecular – passando, por último, por separação da vinhaça, evaporação e secagem do subproduto.

Daí as pessoas-grãos desexistem por passarem a ser conterrâneos da decantação.


Karinna

31 January 2008

Zunái

Os poemas do meu livro, ainda em processo, foram publicados na revista Zunái, editada pelo Claudio Daniel; foram publicados, também, no blog dele.

Além do meu texto vocês podem conferir na Zunái:

Traduções de Jorge Luís Borges, Alejo Carpentier, Lorine Niedecker, Gao Ge, Giórgos Seféris, poetas contemporâneos do Chile;

Poesia ibero-americana: Armando Freitas Filho, Rodrigo Garcia Lopes, Ernesto de Melo e Castro, Alfredo Fressia, Jorge Melícias, André Sebastião, Luís Carlos Mussó, David Bustos, poetas contemporâneos da Venezuela;

Contos de Nelson de Oliveira, Marcelo Tápia, Rodrigo de Souza Leão, Abreu Paxe.

Para conferir é só entrar nos links abaixo
:

Zunái: http://www.revistazunai.com.br/poemas/index.htm

Blog do Claudio Daniel: http://cantarapeledelontra.zip.net/arch2008-01-13_2008-01-19.html - Galeria Matisse.