Under user's 2007-2017 © Copyright only the texts signed by Karinna Alves Gulias - all rights reserved. I made sure all shared contents have their respective references; if you find any without, please let me know.

Search this blog

23 April 2008

Outras Notícias

Não vou às rimas como esses poetas
que salivam por qualquer osso.
Rimar Ipanema com morena
é moleza,
quero ver combinar prosaicamente
flor do campo com Vigário Geral,
ternura com Carandiru,
ou menina carinhosa / trem pra Japeri.
Não sou desses poetas
que se arribam, se arrumam em coquetéis
e se esquecem do seu povo lá fora.

(Poema de Ele Semog / Cadernos Negros: os Melhores Poemas, 1998, p.58)

22 April 2008

No 2











http://sofoto.wordpress.com/2007/03/09/janela/

20 April 2008

O Reflexo de K. R.

O espelho
Não é uma fronteira
Cercada de uz
Se parece mais com o que divisa um lago

Ou com a imagem da nuvem que toca sem tocar
esse lago do nosso olhar.

Poema de Marcelo Ariel, do se novo livro:
Tratado dos Anjos Afogados

14 April 2008

John Donne

"O que o meu Anjo branco põe não é
O cabelo mas sim a carne em pé."

A Permanência das Coisas

"Hoje, na cultura de massa, na sociedade de consumo, desenvolveu-se o menosprezo pelas coisas. as coisas não duram. as coisas não têm permanência nem relação com o homem. elas, por si, são perecíveis e pedem a sua destruição na exigência de uma reatualização de mercado. as coisas são destruídas para manutenção da subjetividade daquele que a destrói. a coisa não é mais sagrada. sem o sagrado não há a reverência e a gratidão por tudo o que se consome. consumo tornou-se expressão e destruição. antigamente as coisas duravam uma vida. envelheciam com o homem. a vida em verdade passou hoje a ser uma contagem de duração das coisas.

O poeta deve amor pelas coisas. ele precisa compreendê-las, caso contrário sempre estará restrito a sua individualidade. será sempre o poeta de si mesmo. o cantor do eu. ser poeta é habitar o entreato das coisas."


Trecho do texto de Márcio-André retirado de:
http://www.confrariadovento.com/revista/numero2/marcioandre.htm