Under user's 2007-2017 © Copyright only the texts signed by Karinna Alves Gulias - all rights reserved. I made sure all shared contents have their respective references; if you find any without, please let me know.

Search this blog

31 January 2010

Questionamento sobre a guerra e a linguagem

Sabemos do questionamento acerca da história ser dos vitoriosos.

___________

Jean-Luc Godard nos coloca outra questão em seu filme Notre Musique:
"A people with no poetry is a defeated people"

"Does a land that has great poets have the right to control a people that has no poets?
And is the lack of poetry amonsgt a people enough reason to justify its defeat?"
"Is poetry a sign or is it an instrument of power?"

"Can a people be strong without having its own poetry"

É interessante ver como a partir da explicação de sua visão, o Palestino, aquele que fala estas citações, mostra o quanto a sua idéia de poesia e linguagem já está tomada pela instrumentalidade ao dizer as duas segundas citações; e reafirmada a sua visão epistemológica da linguagem ao dizer o seguinte: "There is more inspiration and humanity in defeat than there is in victory".

Uma linguagem tomada pelos conceitos de "inspiração" e "humanidade" como base de sua existência e permanência é uma linguagem que se põe fora da poesia. É uma linguagem instrumental. É nesta linguagem instrumentalizada, nas coisas instrumentalizadas (desritualizadas) que está o poder como instrumento fundamentado e onde o pensamento niilista e fragmentarista são originados.

Um povo sem poesia é um povo derrotado? Bem, sim. Mais vale pensarmos: "Depois é seguido por antes" (Lao Tzu: "After is followed by before").




K.A.G.

Apurar e divulgar os crimes contra os direitos humanos cometidos pelo regime militar no Brasil. Programa Nacional de Direitos Humanos.

EM FAVOR DA REVISÃO DA LEI DE ANISTIA DE 1979


A lei concedeu anistia a todos que, entre 2/9/1961 e 15/8/1979, cometeram crimes políticos ou com eles conexos (art. 1º), sendo considerados conexos os de qualquer natureza, relacionados com crimes políticos ou praticados por motivação política (parágrafo 1º), excluídos os condenados pela prática de crime de terrorismo, assalto, seqüestro e atentado pessoal (parágrafo 2º).
No parágrafo 1º, estavam os que, mesmo pela prática de tortura, teriam agido no cumprimento de uma ordem funcional. No parágrafo 2º, excluídos da anistia, os que teriam praticado atos contra-revolucionários considerados crimes.
Essa exclusão violava um princípio de justiça: anistiava os torturadores, mas não os terroristas. Diante desse flagrante tratamento desproporcional, a jurisprudência do STM (Superior Tribunal Militar) estendeu o benefício aos terroristas: a anistia tornou-se geral e irrestrita.
http://www.torturanuncamais-rj.org.br/artigos.asp?Codartigo=38&ecg=0

30 January 2010

Algumas esculturas interessantes

Peter Jansen













"VanAnaarBeter Award"



Geoffrey Mann


















"Attracted to light"

4 January 2010

Tooba - Shahrnoush Parsipour


"Mahdokht planted herself on the riverbank in the fall. She groaned throughout the fall. Her feet were slowly frozen into the ground. The cold autumn rain tore her clothes to shreds. She was left half naked in rags. She shivered until winter came, and then she froze. In mid-spring the tree in her body exploded. In an eternal metamorphosis the parts of Mahdokht separated from each other. She was in pain, and felt like she was giving birth. The tree had turned completely into seeds. A mountain of seeds. A strong wind blew the seeds of Mahdokht into the water. Mahdokht travelled with the water. She travelled all over the world."