Under user's 2007-2017 © Copyright only the texts signed by Karinna Alves Gulias - all rights reserved. I made sure all shared contents have their respective references; if you find any without, please let me know.

Search this blog

28 December 2011

New

Death is a tree growing inside us slowly. Our roots pulsing nearer to the ears.




K.A.Gulias

13 December 2011

Interpreting Poetry

My words are very easy to understand,
Very easy to practice.

No one under heaven can understand them,
No one can practice them.

Words have ancestors,
Deeds have masters.
If people don't understand this,
They don't understand me.

Few understand me,
And that's my value.

Therefore the Sage wears rough clothing
And carries jade inside.

Chapter 70 - Tao Te Ching

__

Tao called Tao is not Tao.

Names can name no lasting name.

Nameless: the origin of heaven and earth.
Naming: the mother of ten thousand things.

Empty of desire, perceive mystery.
Filled with desire, perceive manifestations.

These have the same source, but different names.
Call them both deep--
Deep and again deep:

The gateway to all mystery.

Chapter 1 - Tao Te Ching

__


Great Te appears
Flowing from Tao.

Tao in action --
Only vague and intangible.

Intangible and vague,
But within it are images.

Vague and intangible;
Within are entities.

Shadowey and obscure;
Within it there is life,

Life so real,
That within it there is trust.

From the beginning its name is not lost
But reappears through multiple origins.

How do I know these origins?

Like this.

Chapter 21 - Tao Te Ching


Translation by Stephen Addiss and Stanley Lombardo

6 December 2011

Rhys Chatham - Scrying In Smoke



Rehearsal

Scroll down the metal shutter
Behind it in the dark the naive curvy mouth
open for the rain
waiting eternally and bent the sky

night falls
The rehearsal of the stars shining on the waters
extended
harmonics

All the posts are standing

K.A.Gulias

Blood Promise



When silence falls
And light remains
And time is born
Beneath the sun
I'll hide your name.
Inside a word
And paint your eyes
With false perception
And I feel your mind
In everything
And every breath
Destroys a sound.
And I will follow
A false sensation.
And I'll always believe.
Your blood promise
And every breath.
I stole from you
And I never will see
Your perfect body
And you never have spoken
An unclear word
And I'll never betray
Your blood promise.

Swans Are Dead (1998)

29 November 2011

Dilma Roussef, o progresso e as capitanias hereditárias?













"A manifestação acontecida nesta terça-feira (29/11), em Brasília, mostrou que a Câmara dos Deputados e o Senado não vêm representando os interesses da sociedade brasileira nas discussões sobre as mudanças no Código Florestal. Milhares de estudantes, ambientalistas, pesquisadores, agricultores familiares, parlamentares progressistas e representantes da sociedade civil organizada ocuparam o gramado em frente ao Congresso e a Praça dos Três Poderes para mostrar que o Brasil não aceita as modificações na legislação ambiental, que beneficiam apenas os interesses dos ruralistas."

"A ex-senadora e ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva defendeu a mobilização popular para que os senadores possam rejeitar os retrocessos e para que a presidente da República, Dilma Rousseff, vete os dispositivos que promovam anistia e reduzam proteção das reservas legais e APPs. “Dilma está mais do que respaldada para vetar esses pontos, cumprindo o que ela prometeu durante o segundo turno das eleições”, destacou."


Pois, a Dilma está se mostrando ser um estorvo. Um modelo depreciativo, sem força. Além de estar defendendo um progresso idealista desatualizado e contra os interesses ambientais e culturais do país. O futuro é verde, será que ela precisa entrar na fila do senso comum (pois nem precisa ser da inteligência neste ponto) mais de 10 mil vezes para cair a ficha?

No fim das contas o erro foi nosso de não ter votado na Marina da Silva por preconceitos burgueses ridículos. É óbvio se prestar a atenção nas escolhas que tivemos:

Marina Silva foi ministra do Meio Ambiente (energia verde e limpa).

Dilma Roussef foi ministra de Minas e Energia (deveria ser pesquisa e energia verde, mas agora se mostra um retrocesso ao "progresso nacionalista" e até às capitanias hereditárias?)

Bem, Serra nem vale a pena incluir nessa lista, é um parvo. Já ter entrado no último turno à presidência mostra o quanto a burguesia brasileira (em especial paulistana) é atrasada.

Sinceramente espero que o povo vá a rua e lute, pois se deixar essa burguesia com baixa auto-estima continuar direcionando o país, a tendência é terminar ou num deserto imenso para os pobres ou num espelho Nova Yorquino de vaidades para a burguesia.

The Stranger Song



Beautiful song by Leonard Cohen

27 November 2011

Louis MacNeice

I decided to open my readings to things aloof my usual choice, in the search for breaking with any aesthetics preconceptions which may block my further reading. In the following poems I find a weigh in some way. More diluted images and words, though strong in cartography means of storytelling imagination. So I share:

from Nouvelletes

II
Les Sylphides

Life in a day: he took his girl to the ballet;
Being shortsighted could hardly see it -
The white skirts in the grey
Glade and the swell of the music
Lifting the white sails.

Calyx upon calyx, canterbury bells in the breeze
The flowers on the left mirror to flowers on the right
And the naked arms above
The powdered faces moving
Like seaweed in a pool.

Now, he thought, we are floating - ageless, oarless -
Now there is no separation, from now on
You will be wearing white
Satin and a red sash
Under the waltzing trees.

But the music stopped, the dancers took their curtain,
The river had come to a lock - a shuffle of programmes -
And we cannot continue down
Stream unless we are ready
To enter the lock and drop.

So they were married - to be the more together -
And found they were never again so much together,
Divided by the morning tea,
By the evening paper,
By children and tradesmen's bills.

Waking at times in the night she found assurance
Due to his regular breathing but wondered whether
It was really worth it and where
The river had flowed away
And where were the white flowers.

(1939)


Neutrality

The neutral island facing the Atlantic,
The neutral island in the heart of man,
Are bitterly soft reminders of the beginnings
That ended before the end began.

Look into your heart, you will find a County Sligo,
A Knocknarea with for navel a cairn of stones,
You will find the shadow and sheen of a moleskin mountain
And a litter of chronicles and bones.

Look into your heart, you will find fermenting rivers,
Intricacies of gloom and glint,
You will find such ducats of dream and great doubloons of [ceremony
As nobody today would mint.

But then look eastward from your heart, there bulks
A continent, close, dark, as archetypal sin,
While to the west off your own shores the mackerel
Are fat - on the flesh of your kin.

(1942)


Selected poems by Louis MacNeice

18 November 2011

Original folk version



Another and best known version from the great Roberta Flack:

16 November 2011

Vamos por fim nesta barbárie.



Dilma Roussef, você é um desencanto. Vai seguir em frente com o milagre econômico militar e o desrespeito à cultura e dignidade do brasileiro? Deprimente...

12 November 2011

Awakening the man in the forest

Brewing tea bag as the land in time
Dazed in hot steam

Blue as the sky – as your mirror

Retreat of the clouds
Brings no rain, and the knights follow the moon
To reach an apple

The night holds the whole land
And there is no low without high

Please, follow his words:
All the apples are in the forest
And the ancestors ghosts on the moon


K.A.Gulias

30 October 2011

Live Poetry















"The Silver Lining, The Spider Webs! An unexpected side-effect of the flooding in parts of Pakistan has been that millions of spiders climbed up into the trees to escape the rising flood waters. Because of the scale of the flooding and the fact that the water has taken so long to recede, many trees have become cocooned in spiders webs. People in this part of Sindh have never seen this phenomenon before but, they also report that there are now far fewer mosquitoes than they would expect, given the amount of stagnant, standing water that is around. It is thought that the mosquitoes are getting caught in the spiders web, thus, reducing the risk of malaria, which would be one blessing for the people of Sindh, facing so many other hardships after the floods...!!!" - from facebook profile: Pakistan the Only choice ***

I don't know if it's true, but it is so beautiful and poetic that I couldn't let this pass by. The picture is great too.

19 October 2011

Melancholia by Von Trier

From the prologue videos I have seen in Youtube I could have a glimpse of how sad it must be to watch Melancholia. And I don't know if I would like to. If I may compare, it seems to me as a narrative story of the twilight Time; experienced even if for a brief moment as the end of all life and the routine by us the observers, of the light movement and the surreal and artificial colours of the plants, flowers and everything surrounding us in that moment. The melancholia of the observer exploited to the most and without that other pairing feeling of excitement that comes to you in the first time you see the lights at the twilight, which is so wonderful.

Like in Antichrist, our minds feeling the reality as a dream. And that dream movement as if walking in muddy air.

Here is a video:

http://www.youtube.com/watch?v=xWQ2YZG8kcA&feature=related


K.A.Gulias

18 October 2011

Igort's graphics





Each image goes to a different address, if you click on them. Telling more about the author.

9 October 2011

Heigh ho!



Cheeky girl :-).

I found a video with better quality, but there was no embeded code; if you want to check out:
http://www.youtube.com/watch?v=SCwHku2_WJ0

Willow's Song

Heigh ho! Who is there?
No one but me, my dear.
Please come say, How do?
The things I'll give to you.
By stroke as gentle as a feather
I'll catch a rainbow from the sky
And tie the ends together.
Heigh ho! I am here
Am I not young and fair?
Please come say, How do?
The things I'll show to you.
Would you have a wond'rous sight
The midday sun at midnight?
Fair maid, white and red,
Comb you smooth and stroke your head
How a maid can milk a bull!
And every stroke a bucketful.

Song also from the movie "The Wicker Man", which I haven't actually watched yet, but I intend to asap. I love the soundtrack.

6 October 2011

Giant

Secrets from an ear on the ground
Folhagem
Hunter of elusive feathers
falling from the sky

The angel away
and the guest waits inside

Say nothing
carrier of stones
Gently, gently
Stone to measure the depths of a man

_______ In the back the image of a shower





Dive,

No less than the Milk Way
wants the guest
Keel} Maria sailor
And old



K.A.Gulias

1 October 2011

Action Poétique

Poemas meus publicados em francês na revista Action Poétique, no. 204.

My poems published in the French magazine Action Poétique, no. 204.

26 September 2011

Circe's Memories

Folded blankets of hay
[resting]
to undo nature
In the way to North
Blinds in daylight-
unfolding brown sable fur.

The fool
the only, the many
meadow-where
- uncountable names,
silver-white arms at nighttime
clean.

Dafne set sail
after the sun,
Elliptical wind–
deepening bough-thoughts
so sky can meet with fire
Outer
within humming.

And when and within waves
only men faithful to their ship
Her bore.
The powerful [well]-she
Blind on land.

The fool’s lost his eyes
washed away by the lady’s linen
eyes of sun.

[Within]
the sky
clothed with ground
The marriage of life and death –
measured with ancestors
By fire and stone.

All the past deeds washed away
by the sun movement
And the fool
in means of justice
breaks into war and peace.

Please, Bind fire Eyes!
The dusky meadows forgive
the fool’s deeds
And the sun
makes no memory of the fool
in its birth.


K.A.Gulias

-I'm trying :-)

Thoughts

I have no interest in men's self
Which way we go?
Plane death

I take care of the leopard at night
instead




K.A.Gulias

15 July 2011

Meu livro publicado pela Editora Multifoco

Tenho a imensa alegria de anunciar que meu primeiro livro autoral de poesia foi lançado!

Um grande abraço a todos,

Karinna

Benfica

num estado aquietado de espio
vejo, velho, o Sergipe que nunca me viu

velhas em coques miúdos,
(aparições arredias que são)
temendo céu, raio, golpe de vento
tesoura aberta, espelho, trovão
quebranto, pegajosas jias,
um dia perder procissão, ave-maria!

olho vesgo, lesma, visgo no pé,
(vou me perdendo, aos poucos, da fé)
anjos rezando, altares, almas penadas, penares
perdidas perdições, santos maculados nos tetos
calangos torrados, abandonados, a sacristia sombria
silencio e cemitério, terços gastos nos dedos
dor de puteiros e estrada vazia, de confissões suprimidas
de  tétano na carne da alma

piou o mocho! valha-me nossa senhora!
veneno de cascavel, - o véu da morte vem!
espanto de emas, cinzas vivas!
meu deus do céu, que segredo é esse?!

quem seca agora e desola o norte do poema?

curupiras, mulas, caiporas, crendices desoladas
criaturas banidas, danadas
lembranças perfumadas, sofridas velhices

quem disse da lembrança que tenho do deserto da minha alma?

“-pelan, pelan, pelan, pelan, pelanpelamparina”

o fim do mundo acabou! quem disse?

e Deus, quem disse?

e Eu, quem disse?

quem disse que existo Eu e Deus e o Sergipe?


três velhos


Poema de Chico Mattos


Obs: a gente já fica feliz de lançar um livro e ainda ganha poemas assim de presente :).

24 May 2011

Hungry... and the fallow endeavor or the battles in the horizon of no dreams:

From Lichtzwang (1970):

AT BRANCUSI'S, THE TWO OF US

If one of these stones
were to give away
what it is that keeps silent about it:
here, nearby,
at this old man's limping stick,
it would open up, as a wound,
in which you would have to submerge,
lonely,
far from my scream, that is
chiselled already, white.


FALLOW-VOICED, lashed
forth from the depth:
no word, no thing,
and either's unique name,

primed in you for falling,
primed in you for flying,

sore gain
of a world.


DO NOT WORK AHEAD,
do not send forth,
stand
into it, enter:

transfounded by nothingness,
unburdened of all
prayer,
microstructured in heeding
the pre-script,
unovertakable,

I make you at home,
instead of all
rest.


From Die Niemandsrose (1963):

ANABASIS

This
narrow sign between walls
the impassable-true
Upward and Back
to the heart-bright future.

There.

Syllable-
mole, sea-
coloured, far out
into the unnavigated.

Then:
buoys,
espalier of sorrow-buoys
with those
breath reflexes leaping and
lovely for seconds only -: light-
bellsounds (dum-,
dun-, un-,
unde suspirat
cor),
re-
leased, re-
deemed, ours.

Visible, audible thing, the
tent-
word growing free:

Together.



by Paul Celan
translation: Michael Hamburger


- Loving Paul Celan so much!

2 May 2011

The Raven

Corvo sentinela do mundo metálico.
Gate-nails
plantas
drawing lines in pavements and roads
seguem ao limite do tempo-cidade. Nervoso e fixo.

Quietude símile.
Sonhadora dos infortúnios e sem olhos.
Seu nome respeita o grau preciso
do bico. Aerodinâmica dos buracos negros.

Irrefletido em seu posto.

Os ventos curvam as folhas
e seus pelos.

 
 
K.A.Gulias


* Existe diferença entre raven e crow. Não apenas na carcaça - o corvo raven é muito mais imponente e parece realmente um pássaro do mundo de Hades. De acordo com as fábulas de Esopo, o canto do corvo raven é sinal de infortúnio e o do corvo crow é tolo.

28 March 2011

Andar Dua Luas

"Certa vez minha mãe me contou uma história dos pés-pretos sobre Napi, o Velho, criador dos homens e das mulheres. Para decidir se essas novas criaturas viveriam para sempre ou morreriam, Napi escolheu um pedaço de casca de árvore e disse que o jogaria no rio; se flutuasse, as pessoas viveriam para sempre; se afundasse, elas morreriam. A casca flutuou. Uma mulher sugeriu: "Tente com uma pedra. Se a pedra flutuar, viveremos para sempre, se afundar, morreremos." Napi jogou a pedra na água, e ela afundou. As pessoas morrem."

Andar Dua Luas, de Sharon Creech

Presente de amigo, melhor não há :). Um livro infanto-juvenil que traz várias tiradas super interessantes e que nos faz matutar.

22 March 2011

A mitopoética e seu impiedoso Sol do meio dia.

"Neste ‘Terra dos nomes perdidos’ de Karinna Gulias existe todo um inventário mitopoético da natureza, mas não como em Marianne Moore que se interessava mais por uma mitopoética paradoxal da similitude entre a natureza como metáfora e a natureza como símbolo, Karinna segue por uma via mais objetiva e menos obscura, a natureza aqui é ela mesma uma força mítica que não é diluída por uma visão alegórica de suas relações com o problema humano e possui uma irradiação que tem sua origem na luz de um sagrado laico que está no centro da estrutura romanesca dos poemas que lembram um imenso fio de Ariadne que nos leva a um lugar dentro dos acontecimentos onde a pulsação de uma força épica e lírica que lembra muito a tradição oral, fonte do poema enquanto força imagética a serviço de uma narrativa épica e lírica que no livro que temos em mãos, dá conta da realidade que nos cerca sem recorrer ao distanciamento irônico ou ao foco no eu lírico como centro do mundo.

A natureza é humanizada tendo o poema como uma energia do deslocamento, um olhar que narra a cidade e a natureza ambos coisificados, mas não diluídos dentro do poema, uma personagem esvaziada de sua biografia interior, Maria da Graça ente e simultaneamente lugar e persona de contornos bíblicos que se duplica e ao mesmo tempo se transfigura em metáfora da natureza nos poemas onde é chamada de Poca Sombra.

Não é difícil associar este procedimento de costurar os poemas através de uma narrativa lírica e épica em uma chave inversa da utilizada por Marianne Moore e mais próxima da que foi utiliza por Elizabeth Bishop que como Karinna também fez uso de uma abordagem mitopoética do cotidiano, inclusive do cotidiano do Rio de janeiro, esta associação que é coloquial em Bishop e objetiva em Karinna, torna a própria cidade e sua realidade esfacelada, uma personagem sutil dos poemas que são como já suspeitam os críticos mais sagazes, o cinema do futuro.

É interessante e nada gratuito também associarmos o título do livro ao uso insistente e repleto de significados míticos que o cineasta Glauber Rocha fez da palavra ‘Terra’, em ‘Terra em transe’, ‘A Idade da terra’ e ‘Deus e o diabo na terra do Sol’ são título de filmes seus que não escondem a intenção de serem vistos como poemas líricos, libretos de uma ópera sertaneja e barroca costurada com imagens capazes de construir uma tentativa de expor e interpretar o cotidiano como tragédia, sem deixar de vincular a essa tragédia a força e o mistério da natureza, das coisas e este denso livro de Karinna Gulias se filia de modo insuspeito ao projeto de Glauber."

Marcelo Ariel


Orelha do meu livro, escrita pelo poeta Marcelo Ariel

12 March 2011

Maria da Graça, Terra dos nomes perdidos

Essa é a metade do meu mais novo livro. Na íntegra só depois do lançamento, sorry:

8 March 2011

Iemanjá



Adoro esta canção cantada por Adriana Calcanhoto.

19 February 2011

Face a face

Em silêncio sentei frente ao meu convidado;
Até o fim sentado sem dizer uma palavra.
Eu desejei fazer um show de amizade:
Procurei na voz mas não encontrei nada.
Se boas palavras não são acompanhadas de afeto,
Jurei que você, senhor, não as desejaria.
Nossas mentes estavam abertas e ambos nos esquecemos;
Que mal há nisso quando diz respeito a mim e você?


Kuei Tzu-Mou
(1563-1606)
Tradução de Karinna A. Gulias, da tradução inglesa de Robert Kotewall & Norman L. Smith

The Penguin Book of Chinese Verse, 1971

13 February 2011

Adeus à Primavera

Para "O oráculo"

Eu tenho uma inclinação a adiantar a partida da Primavera
Por não haver meios de manter a Primavera aqui.
Quando tudo é dito, ano após ano isso tem seu uso;
Melhor que isso não se vá.
O olho é curto no distante horizonte de Ch'u;
Ele não vê a estrada de volta à morada da Primavera.
No vento urgente até as pessegueiras parecem tristes:
Peça por peça, voam como chuva vermelha.


Chiao-Ju-Hui
A Buddhist monk (date uncertain: eleventh to twelfth century)
Tradução de Karinna A. Gulias, da tradução inglesa de Robert Kotewall & Norman L. Smith.

12 February 2011

SÉCULO ACORRENTADO NUM ÂNGULO DO MUNDO

Nos espelhos correntes
Passam as barcas sob as pontes
E os anjos-correio
Descansam na fumaça dos navios de guerra

Entre a erva
Silva a locomotiva no cio
Que atravessou o inverno

As duas cordas de seu rastro
Atrás dela ficam cantando
Como uma guitarra indócil

Seu olho nu
Charuto do horizonte
Dança entre as árvores
Ela é Diógenes com o cachimbo aceso
Buscando entre os meses e os dias

Sobre a via equinocial
Comecei a caminhar
Cada estrela
É obus que rebenta

As plumas de minha garganta
Se enfraqueceram ao sol
que perdeu uma asa

O divino aeroplano
Trazia um ramo de oliveira entre as mãos
Entretanto
Os ocasos feridos dessangram
E no porto os dias que se arredam
Levam uma cruz no lugar da âncora

Cantando nos sentamos nas praias

Os mais bravos capitães ___O capitão Cook
______________________Caça auroras boreais
Num iceberg iam aos pólos _No pólo sul
Para deixar seu cachimbo em lábios
Esquimós

Outros cravam novas lanças no Congo
O coração da África ensolarado
Abre-se como os bicados figos

E os negros
de divina raça
Escravos na Europa
Limpando de seu rosto
a neve que os mancha
Homens de asas curtas
Percorreram tudo
E um nobre explorador da Noruega
Como butim de guerra
Trouxe à Europa
entre raros animais
E árvores exóticas
Os quatro pontos cardeais


Vicente Huidobro
Tradução: Carlos Nejar

[Desculpem a formatação errada, não sei como ajeitar isso aqui na edição de postagens - o blogspot não aceita facilmente]

6 February 2011

My Hands are my Heart
























Gabriel Orozco, 1991

[click in the image for more details about the author]

O pulso do tigre fica à frente,
à vista apenas de sua respiração.
--

O coração mora na concentração estranha ao corpo.



K.A.Gulias

"The obstacle of emptiness"























Le Blanc-Seing, 1965
René Magritte

26 January 2011

Milton



A imagem é meio brega, mas o que importa mesmo é a música, que é linda.

19 January 2011

The Kiss



















































"Le Baiser" - Rodin

Visitei o museu na sexta passada e fiquei um bom tempo olhando esta escultura de Rodin "The Kiss". É linda. Aliás, de tudo que vi, essa foi a obra que mais me chamou a atenção, mesmo com tanta variedade por lá. Eu tinha ido à exposição que teve do Rodin no Rio, há muitos anos atrás, mas não me lembrava desta e não me lembrava do quanto Rodin é impressionante.

Fui procurar mais coisa na internet e achei esta aqui também bem interessante: http://flickriver.com/photos/wallyg/1387051638/

9 January 2011

Memória

Translúcida: a memória:
água de beber com céu

[sem colunas]

antes,
lavar as mãos.



K.A.Gulias

Personagem: a Moça da Tarde [@]

A moça da tarde
__ de olhar plano]
prende s cabelos ao alto.

Penteia cabelos brancos [duradouros

O linho percorre o chão
dissolvendo-se
__ depois de pentear-se, ela segue o caminho

contínuo

com os olhos
descansada - s bordas.

Não quer olhares. Olhe o sol da tarde ao invés.


K.A.Gulias

4 January 2011

XLIX

'Tis all a Chequer-board of Nights and Days
Where Destiny with Men for Pieces plays:
Hither and thither moves, and mates, and slays,
And one by one back in the Closet lays.

The Rubáiyat of Omar Khayyám
Translated by Edward Fitzgerald