Under user's 2007-2017 © Copyright only the texts signed by Karinna Alves Gulias - all rights reserved. I made sure all shared contents have their respective references; if you find any without, please let me know.

Search this blog

30 December 2010

ALGUMAS PERGUNTAS A UM HOMEM BOM

Bom. Para quê?
Você não é corrupto,
Mas o raio que destrói a casa
Também não é corrupto.

Você diz: jamais se desdiz.
Mas o que você diz?
Você é de boa fé
Declara a sua opinião
Mas qual opinião?

Você tem coragem
Contra quem?
Você é um artista
Repleto de sabedoria
Pleno de talento
Para quem?

Você não visa o próprio interesse
O interesse de quem, então?
Você é um bom amigo,
De boa gente?

Então, escuta:
Nós sabemos que você é o nosso inimigo.
Por isso vamos te encostar no paredão.
Mas, em consideração aos seus méritos
E às suas boas qualidades,
Num bom paredão.
E te fuzilar com boas balas
Disparadas por bons fuzis
E te enterrar
Com boa pá
Em terra boa.

Poema de Bertold Brecht
Tradução: Maria Alice Vergueiro / Catherine Hirsch

*Roubei este poema do blog Cantar a Pele de Lontra IV, do Claudio Daniel:
http://cantarapeledelontra.blogspot.com/

5 December 2010

Lançamento do meu livro pelo selo Orpheu










livro: "Terra dos nomes perdidos"
Selo Orpheu - Ed. Multifoco
>>>Clique na imagem para mais detalhes.

Wild Swans - Andersen’s tale

4 December 2010

Divisa de terras

O lago quando memoriza objetos indefinidos
Descobre a divisa dos mortos

O tempo dos cavalos que se extraviam
E pelas terras findam no horizonte

Ante o que vê sempre
Seus olhos sondam e caminham a extensão da pele
Com um fim
dentre-dentes

Na construção de uma tempestade:
Ou na
Estática nuvem mímica, aguda
À qual alcançam até as crianças: a festejar o enigma.

Perder a memória das poucas horas -
O medo de não caber no tempo


K.A.Gulias

27 November 2010

Part I – The first story

[That which isn’t]

A mother supposed to raise [mirrored] cattle,
and administrate the ground for permanence,
made a baby with the dark matter of night.

A mother supposed to raise [giant] cattle,
and increase her shadow.

She lighted candles
for the day she would bring up offsprings.
With the movement,
her name moved to a strange house;
belongs to another place; to another duty.

In the move:
– In all rivers she crossed
thirds of her hair were left behind, now white
like sea foam.

At night the rivers followed her and poured
glass on her chest. From her then
star hairs and sea foam were born. –

Once more her name moved,
__________________until the will was restrained
Her hair fell down and she was hence named:
small shadow
and then
It was born a son.

K.A.Gulias [translation from original in Portuguese]

*Uma tradução que fiz no início do ano e resolvi colocar agora aqui.

24 November 2010

Teatro e outras poéticas políticas

Sorrindo atrás do sol
a luta do mar e sua ironia.

Os homens e seus grupos
na luta igualam seus poderes.

---

O imperador do mundo,
bêbado e roupas rasgadas
sobre seu navio de tábuas de madeira.
Com fundo plano de colegas espatulados -
juntos logram a prata e navegam com peitos cheios.

O sonho escuro
das cadeiras
procura ao homem um mérito.



K.A.G.

16 November 2010

As virtudes da mãe

Buddhism's 4 brahmavihara ("Divine States"):

1. Metta/Maitri: loving-kindness towards all: "the wish that all sentient beings, without any exception, be happy." [Amor bondoso]

2. Karuṇā: compassion: "the wish for all sentient beings to be free from suffering." [Compaixão]

3. Mudita: altruistic joy in the accomplishments of a person, oneself or other;
sympathetic joy - "the wholesome attitude of rejoicing in the happiness and virtues of all sentient beings." [Alegria altruísta]

4. Upekkha/Upeksha: equanimity, or learning to accept both loss and gain, praise and blame, success and failure with detachment, equally, for oneself and for others.
Equanimity means "not to distinguish between friend, enemy or stranger, but to regard every sentient being as equal. It is a clear-minded tranquil state of mind - not being overpowered by delusions, mental dullness or agitation." [Equanimidade]


Fiquei surpreendida quando descobri que os 4 estados divinos, as 4 virtudes, no Budismo são estados relacionados naturalmente às virtudes inerentes às mães. Não se busca algo ideal, mas dá-se valor ao amor incondicional próprio das boas mães (pessoas de carne e osso e à nossa volta, que vemos se quisermos prestar a atenção).

"[Te =] He who exercises government by means of his virtue may be compared to the north polar star, which keeps its place and all the stars turn towards it." Analects, Confucio.

14 November 2010

[Sem braços]

Sem braços para carregar rebentos.
Filho levou-se pelo vento
ao rio
mais uma vez.

Os milhos daquela estação quente
estavam a brotar-lhe no barco.
Os bicos de pássaros castigando o casco.

No seu costado estava inscrito o presságio
da próxima colheita.


K.A.Gulias (da série: Terra dos Nomes Perdidos)

10 November 2010

Programa Nacional de Direitos Humanos - PNDH 3 (Brasil)

Diretriz 9: Combate às desigualdades estruturais..... 86
Objetivo estratégico I: Igualdade e proteção dos direitos das populações negras, historicamente afetadas pela discriminação e outras formas de intolerância..... 86
Objetivo estratégico II: Garantia aos povos indígenas da manutenção e resgate das condições de reprodução, assegurando seus modos de vida..... 88
Objetivo estratégico III: Garantia dos direitos das mulheres para o estabelecimento das condições necessárias para sua plena cidadania..... 90


Objetivo estratégico I:
f) Fortalecer a integração das políticas públicas em todas as comunidades remanescentes de quilombos localizadas no território brasileiro.
g) Fortalecer os mecanismos existentes de reconhecimento das comunidades quilombolas como garantia dos seus direitos específicos .
h) Fomentar programas de valorização do patrimônio cultural das populações negras.
i) Assegurar o resgate da memória das populações negras, mediante a publicação da história de resistência e resgate de tradições das populações das diásporas.

Objetivo estratégico II:
c) Aplicar os saberes dos povos indígenas e das comunidades tradicionais na elaboração de políticas públicas, respeitando a Convenção 169 da OIT.
h) Promover projetos e pesquisas para resgatar a história dos povos indígenas.
i) Promover ações culturais para o fortalecimento da educação escolar dos povos indígenas, estimulando a valorização de suas formas próprias de produção do conhecimento.
j) Garantir o acesso à educação formal pelos povos indígenas, bilíngue e com adequação curricular formulada com a participação de representantes das etnias, indigenistas e especialistas em educação.

Objetivo estratégico III:
a) Desenvolver ações afirmativas que permitam incluir plenamente as mulheres no processo de desenvolvimento do País, por meio da promoção da sua autonomia econômica e de iniciativas produtivas que garantam sua independência.
e) Ampliar o financiamento de abrigos para mulheres em situação de vulnerabilidade, garantindo plena acessibilidade.
g) Considerar o aborto como tema de saúde pública, com a garantia do acesso aos serviços de saúde. (Redação dada pelo Decreto nº 7.177, de 12.05.2010).
h) Realizar campanhas e ações educativas para desconstruir os estereótipos relativos às profissionais do sexo.


Diretriz 20: Reconhecimento da educação não formal como espaço de defesa e promoção dos Direitos Humanos........... 159
Objetivo Estratégico I: Inclusão da temática da educação em Direitos Humanos na educação não formal.....159
Objetivo estratégico II: Resgate da memória por meio da reconstrução da história dos movimentos sociais..........161


Diretriz 23: Reconhecimento da memória e da verdade como Direito Humano da cidadania e dever do Estado.....173
Objetivo Estratégico I: Promover a apuração e o esclarecimento público das violações de Direitos Humanos praticadas no contexto da repressão política ocorrida no Brasil no período fixado pelo artigo 8º do ADCT da Constituição, a fim de efetivar o direito à memória e à verdade histórica e promover a reconciliação nacional. ..... 173

Diretriz 24: Preservação da memória histórica e a construção pública da verdade..... 175
Objetivo Estratégico I: Incentivar iniciativas de preservação da memória histórica e de construção pública da verdade sobre períodos autoritários..... 175

Diretriz 25: Modernização da legislação relacionada com a promoção do direito à memória e à verdade, fortalecendo a democracia..... 176
Objetivo Estratégico I: Suprimir do ordenamento jurídico brasileiro eventuais normas remanescentes de períodos de exceção que afrontem os compromissos internacionais e os preceitos constitucionais sobre Direitos Humanos..... 176


[Informação completa: http://portal.mj.gov.br/sedh/pndh3/pndh3.pdf - Eu selecionei apenas algumas partes que achei muito boas ;)]

21 October 2010

Not ready

A great nation flows down
To be the world's pool,
The female under heaven
Tien hsia chih p'in

In stillness
The female constantly overcomes the male,
In stillness
Takes the low place.

Therefore a great nation
Lowers itself
And wins over a small one.

A small nation
Keeps itself low
And wins over a great one.

Sometimes becoming low wins,
Sometimes staying low wins.

A great nation desires nothing more
Than to unite and protect people.
A small nation desires nothing more
Than to enter the service of people.

When both get what they wish
The great one should be low.

Tao The Ching, 61. (Stephen Addiss & Stanley Lombardo translation)

2 October 2010

Nota

Sinto informar que nos próximos dois meses postarei com menos frequência, pois estou terminando o meu livro e outras coisinhas mais.

Obrigada aos seguidores :).

Beijos

K.A.G.

21 September 2010

Jack Kerouac

On Tears

Tears is the break of my brow,
The moony tempestuous
Sitting down
In dark railyards
When to see my mother’s face
Recalling from the waking vision
I wept to understand
The trap mortality
And personal blood of earth
Which saw me in—
Father father
Why hast thou forsaken me?
Mortality & unpleasure
Roam this city—

Unhappiness my middle name
I want to be saved,--
Sunk—can’t be
Won’t be
Never was made—
So retch!


Tree

But a tree has
a long suffering shape
Is spread in half
by 2 limbed fate
Rises from gray rain
pavements
To traffic in the bleak
brown air
Of cities radar television
nameless dumb &
numb mis connicumb
Throwing twigs the
color of ink
To white souled
heaven, with
A reality of its own uses

22 August 2010

Talento

Talento não tem nada a ver com a priori grandiosidade inerente à pessoa.

É mais vigor do que aquilo. Talento é disciplina alinhada à predição/predileção. É saber alinhar o próprio caminho com aquele vento; alinhar sabiamente o seu destino com o tempo (vida)(propício ao florescimento).



K.A.G.

The Genius Of The Crowd

There is enough treachery, hatred violence absurdity in the average
human being to supply any given army on any given day

and the best at murder are those who preach against it
and the best at hate are those who preach love
and the best at war finally are those who preach peace

those who preach god, need god
those who preach peace do not have peace
those who preach peace do not have love

beware the preachers
beware the knowers
beware those who are always reading books
beware those who either detest poverty
or are proud of it
beware those quick to praise
for they need praise in return
beware those who are quick to censor
they are afraid of what they do not know
beware those who seek constant crowds for
they are nothing alone
beware the average man the average woman
beware their love, their love is average
seeks average

but there is genius in their hatred
there is enough genius in their hatred to kill you
to kill anybody
not wanting solitude
not understanding solitude
they will attempt to destroy anything
that differs from their own
not being able to create art
they will not understand art
they will consider their failure as creators
only as a failure of the world
not being able to love fully
they will believe your love incomplete
and then they will hate you
and their hatred will be perfect

like a shining diamond
like a knife
like a mountain
like a tiger
like hemlock

their finest art


Charles Bukowski

5 August 2010

Quick thought

Well, I have a question. Why in the contemporary poetry (mainly the British poems I had the luck to read), people always have to mention tobacco or cigarette in their poems? Does it mean they are cool and avant-gard? LOL

Just sharing a quick laugh :)

Hahaha!

Ah, não pude deixar de postar esta obra prima aqui no meu blog. Editoras de Londres mandam escritores lerem esta página antes de considerarem a possibilidade de enviarem os seus poemas para serem publicados. É realmente uma idéia genial. Só não sei se realmente os que devem ler, lêem rsrs.

"Reading all the books you have bought


So you have acquired a few thousand new poetry books for your personal library (just kidding), and are wincing at all the money you have had to earn and spend on this stuff, now let’s consider reading it all.

Publishers come in all shapes and sizes, some, but not all, are interested in publishing work which significantly extends poetry. Opinion will be hotly divided on exactly how poetry is to be extended. However, most publishers will agree that new poetry should endeavour to be precisely that; new. It is often astonishing how poorly read aspiring poets are, and how many have failed the first hurdle to rise above their idols and pass beyond emulation into the realms of real writing – writing which has its context in the present, here in this very moment, addressing the current state of poetry and its practice and reception in the broad community of the living art. There ought to be a law about this:

“Poets are not allowed to submit a new manuscript until they have read two hundred single-author volumes of poetry, published since 1980.”
In fact, there ought to be several laws about it:

“Poets writing in the manner of the nineteenth-century Romantics are advised to seek publishers from the same era.”

So many submissions are too derivative to be worth publishing. We’ve read the originals and don’t need a karaoke version of Heaney, Plath or Larkin. Where poetry is concerned, regurgitation never aids digestion.

Perhaps the most frustrating thing for publishers is receiving manuscripts which clearly don’t fit their lists, addressed “To whom it may concern,” or “Dear Editor.” Sending the wrong material to someone you cannot be bothered to discover the name of and expecting some response other than the bin would be testing providence in the best of circumstances. Find out about the publishers you are wishing to submit to, learn about their editors, buy their books, read their poets, and discover for yourself whether your writing might be of interest to the publisher.

Never let your abstract desire to be published rush ahead of the desire to consume other people’s poetry. Being a reader is, in fact, far more important than being a writer. Remember to read beyond your own prejudices, the aspiring poet should read everything. Okay, not everything, just everything I publish."

Fragment from the following website: http://www.saltpublishing.com/info/submissions.htm#Dos%20and%20don'ts

4 August 2010

poema de Serge Pey

O espelho
que come a Estrela
torna-se mais velho
que o ancião
mas o ancião
que reflete a Estrela
cumpre
uma outra vez sua nascença

Os pássaros que bebem
no sol
não queimam
e nos olham
empoleirados numa cratera
de dez milhões de graus

Nós escolhemos
entre três olhares

Aquele que faz nascer o espelho

Aquele que retorna o espelho

Aquele que quebra o espelho

21 July 2010

Minha estação favorita

Casa de pássaros (Birds' nest):





















Photos by Karinna Gulias

6 July 2010

Andar vagaroso

O pulso do tigre fica à frente,
à vista apenas de sua respiração.
Na concentração do ar.

A casa de pássaros o observa
[de sua estação de água
seu andar vagaroso.
Incapaz de olhar as nuvens
com o fogo no céu.

K.A.G.

5 July 2010

Tigre



A pantera que guarda meu sono ao pé da cama se tranformou num tigre. Cego de um olho ele reflete o céu.
Estica o seu corpo líquido na medida da extensão da terra.

K.A.G.

23 June 2010

Mongol

Eu achei esse filme maneiríssimo. E a trilha sonora nem se fala, né.

22 June 2010

O anjo dourado - Siegessäule

Ironia do destino. Fui à Berlin, não só para isto, é claro, mas com uma meta: não ir embora sem ver O Anjo Dourado. Era tudo o que mais queria ver. E não é que o Anjo estava totalmente coberto... Berlin quer realmente que eu volte, não é mesmo?






























Não vi O Anjo, mas vi indícios de que havia anjo em todo o lugar. Olha quantos peninhas de asa de anjo voavam pelo céu e se amontoavam no chão:



Numa multidão, as pessoas fazem o trabalho do vento.

As palavras podem cumprir-se.

18 June 2010

Pã consola Psiquê



Tirei a foto desta escultura no Alte Nationalgalerie, Berlin. Achei encantadora. É da autoria de Reinhold Begas ;).

2 June 2010

Dispersão

Sua barriga,
uma tigela ao contrário
pergunta ao vazio do céu.

E percebe que toda a tensão
está na dispersão de um leve sopro
do destino.

Eva, dentro de um ovo,
usa uma colher para dispersar som
de uma tigela vazia de céu.

E percebe que toda a tensão
está na dispersão de um leve sopro
do destino.

K.A.G.

19 May 2010

Nino Rota

Modéstia

Nossa, hoje descobri uma das imagens mais lindas do I-Ching, a imagem da Modéstia.

A imagem da modéstia é a montanha abaixo da terra.

"A montanha é o filho mais moço do Criativo e representa o céu na terra. (...) A característica da terra é estar embaixo; por isso mesmo neste hexagrama ela é exaltada, sendo colocada sobre a montanha."

O mais lindo é:

"A lei do céu esvazia o que está pleno e preenche o vazio"

E a maneira como é feito esse movimento é através do preenchimento do que é vazio com água. Imanginemos um vale dentre duas montanhas imponentes. Ao encher de água, os vales se elevam e as montanhas diminuem.

"A lei da terra consiste em alterar o que é pleno e fluir em direção ao que é modesto; assim, as altas montanhas são aplainadas pelas águas e os vales são preenchidos."

"A montanha no interior da terra:
a imagem da MODÉSTIA.
Assim o homem superior diminui o que é demasiado e aumenta o que é insuficiente.
Ele pesa as coisas, igualando-as.
A terra em cujo interior se oculta uma montanha não deixa ver sua riqueza, pois a altura da montanha serve para compensar a profundidade da terra."

E então chegamos a um emocionante pensamento, de que nossa terra mãe, no I-Ching nomeado de Receptivo, é por baixo do véu da modéstia, uma montanha. Nossa, fiquei até emocionada com essa imagem hahahaha.

14 May 2010

Espelho de Eva

Em todos os amigos de pedra
Eva contempla água. Solitária terra.

Enquanto o nada rasga a paisagem e deixa apenas a árvore em pé e o seu chão.
Como uma lâmina a arrastar em um corte
todos os restos inadaptáveis. E o vento suave sobrevive.

Todas as estátuas
a se contemplarem imóveis.
Refletindo seus próprios corpos.

Se olha além,
apenas vê água. Infindável água-espelho.


K.A.G.

30 April 2010

A Paz

Duas linhas da ou para a Paz/ T'AI:

Quando se arranca uma folha de grama,
junto vem o torrão.
Cada qual de acordo com sua espécie.
Empreendimentos trazem boa fortuna.

e

Suportar gentilmente os incultos,
atravessar o rio com decisão,
não negligenciar o longínquo,
não privilegiar os companheiros.
Assim se poderá trilhar o caminho do meio.

__


O I-Ching nunca negligencia o comportamento. Pelo contrário, há sempre o impacto entre o exterior e o interior, o social e o individual. Me pergunto se realmente a palavra "impacto" deveria ser usada, já que se refere ao hexagrama da Paz, em que o céu está abaixo da terra.

p.s.: pensando bem agora, principalmente levando em conta a segunda linha do oráculo acima (Suportar gentilmente os incultos, atravessar o rio com decisão...), Gordon Brown está longe de chegar à paz hahahaha.

14 April 2010

O início

O silêncio da mãe abriu espaço para o semear.
Todos os campos se estenderam.

De sua linguagem
foi feito o céu de Filho.

Foram vários os começos.



K.A.G.

13 March 2010

"Tristeza vem e passa", de Ana F.

meu coração, quando chega perto,
sabe que está pulsando um sangue diferente
meu olho para por aqui e não quer ver o resto
tosco que invade o mundo atrevidamente
é como um samba que se move
devagar dentro da gente
é como um rio, como água, como matar a sede:
nada
minha serra
de caroços na cabeça
um formato tão perfeito
um desenho de elefante
minha serra, meu filhote
marca a terra de onde eu vim
me desperta um sentimento tão confuso
um desespero tão contente
proteger esse lugar, é a mesma coisa
- nobre e necessária -
que cuidar da mãe doente


era de tardezinha
e os sapos testemunharam
a alegria da lagoa
ao receber aquele corpo


vejo muito acima das copas dessas árvores
posso ver o gosto sacro do meu passado longe
miro o céu azul no cristalino
e as nuvens embaçando
se atrevendo a me encostar a água
pulos que eu podia dar a terra comeu
e meu peito fugidio teima em não permanecer
quase sempre sou mercadoria
sacolejando num caminhão
a liberdade, o abandono
poesia dos outros me parece forçada
poesia minha também me parece
letra que enrosca em mim sem forçar a porta
é velhinho bonito de olhos miúdos
banho que eu tomo é de barros


água do mar salgando a boca
os olhos ardendo com a fumaça
eu não me importo em ficar triste
tristeza vem e passa


a escola era
o singelo educandário são josé
e a professora perguntou
o que a gente ia ser quando crescesse
todo mundo deu respostas ensaiadas
inclusive eu
o meu primo era o único
que queria ser pedreiro
as crianças - todas bestas! -
riram dele sem piedade
não deviam ter zombado
"eu quero ser pedreiro"
foi a coisa mais bonita
que eu ouvi na minha vida!


badan me espera
com todo o seu relincho
e as patas a trotar na terra
badan não tem frescuras
badan não tem caprichos
o bom do dia é que badan me espera


não carrego este papel de bala
até o fim do mundo
nem por um salário alto
nem por beijo vagabundo
não carrego esta sujeira
que embriaga meu quintal
embaraça meus adubos
tem inveja do meu sal


o que me faz bem
são as folhas e suas nervuras
a luz que confunde e define tudo
as fotos das bicicletas
os passeios dos meninos
observando os cavalos
coluna dói,mas é bom
músculos retesados
só provam pro mundo que eu valho

alguma coisa
qualquer moeda
eu sirvo pra salvar alguém


*publicada
originalmento na Cronópios.

Esta poesia é de verdade e estética sincera e forte, fluida. Enfim, coisa rara.

Oliverio Girondo

Tradução de Adriana Zapparoli, publicada na Cronópios.

Para mim

Os mais escuros estremecimentos para mim
entre as extremidades da noite
os abandonos que crepitam
quanto vinho a mim acompanhado
pelas miragens do desejo
o inteiramente liso na penumbra
as enchentes menores já que com lua
ainda quando o sonho ulula entre mandíbulas transitórias
as teclas que nos tocam até o osso do grito
os caminhos perdidos que se encontram
baixo a folhagem do choro da terra esperança que espera os tramites do transe
por muito que se apóie nas conjunturas do fortuito
para mim para mim a plena íntegra bela para mim hórrida vida


Em especial:
"os caminhos perdidos que se encontram
baixo a folhagem do choro da terra"

"las crecidas menores ya con luna
aunque el ensueño ulule entre mandíbulas transitorias"


Aparição urbana

Surgiu de baixo da terra?
Se desprendeu do céu?
Estava entre os ruídos,
ferido,
malferido
imóvel,
em silêncio,
cravado ante a tarde,
ante o inevitável,
as veias aderidas
ao espanto,
ao asfalto
com seus cabelos caídos,
com seus olhos de santo,
todo, todo desnudo
quase azul, de tão branco.

Falavam de um cavalo.
Eu creio que era um anjo


Baía Anímica

Abra casa
de gris lava cefálica
e confluências de acúmulos de lembranças e luzbatido cósmico
casa de asas de noite de arrebento de enluarados espasmos
e hipertensos tantas de ausência
casa cabala
cala
abracadabra
médium lívida em transe sob o gesso de seus quartos de hóspedes defuntos travestidos de sopro
metapsíquica casa multigrávida de neuroses e ubíquos ecosecos de circuitos asfixiados
clave demonodeia que conhece a morte e seus compassos
seus tambores afásicos de gazes
suas finais comportas
e seu asfalto

Em especial:
"Abra casa
de gris lava cefálica"

"casa de asas de noite"

13 February 2010

31 January 2010

Questionamento sobre a guerra e a linguagem

Sabemos do questionamento acerca da história ser dos vitoriosos.

___________

Jean-Luc Godard nos coloca outra questão em seu filme Notre Musique:
"A people with no poetry is a defeated people"

"Does a land that has great poets have the right to control a people that has no poets?
And is the lack of poetry amonsgt a people enough reason to justify its defeat?"
"Is poetry a sign or is it an instrument of power?"

"Can a people be strong without having its own poetry"

É interessante ver como a partir da explicação de sua visão, o Palestino, aquele que fala estas citações, mostra o quanto a sua idéia de poesia e linguagem já está tomada pela instrumentalidade ao dizer as duas segundas citações; e reafirmada a sua visão epistemológica da linguagem ao dizer o seguinte: "There is more inspiration and humanity in defeat than there is in victory".

Uma linguagem tomada pelos conceitos de "inspiração" e "humanidade" como base de sua existência e permanência é uma linguagem que se põe fora da poesia. É uma linguagem instrumental. É nesta linguagem instrumentalizada, nas coisas instrumentalizadas (desritualizadas) que está o poder como instrumento fundamentado e onde o pensamento niilista e fragmentarista são originados.

Um povo sem poesia é um povo derrotado? Bem, sim. Mais vale pensarmos: "Depois é seguido por antes" (Lao Tzu: "After is followed by before").




K.A.G.

Apurar e divulgar os crimes contra os direitos humanos cometidos pelo regime militar no Brasil. Programa Nacional de Direitos Humanos.

EM FAVOR DA REVISÃO DA LEI DE ANISTIA DE 1979


A lei concedeu anistia a todos que, entre 2/9/1961 e 15/8/1979, cometeram crimes políticos ou com eles conexos (art. 1º), sendo considerados conexos os de qualquer natureza, relacionados com crimes políticos ou praticados por motivação política (parágrafo 1º), excluídos os condenados pela prática de crime de terrorismo, assalto, seqüestro e atentado pessoal (parágrafo 2º).
No parágrafo 1º, estavam os que, mesmo pela prática de tortura, teriam agido no cumprimento de uma ordem funcional. No parágrafo 2º, excluídos da anistia, os que teriam praticado atos contra-revolucionários considerados crimes.
Essa exclusão violava um princípio de justiça: anistiava os torturadores, mas não os terroristas. Diante desse flagrante tratamento desproporcional, a jurisprudência do STM (Superior Tribunal Militar) estendeu o benefício aos terroristas: a anistia tornou-se geral e irrestrita.
http://www.torturanuncamais-rj.org.br/artigos.asp?Codartigo=38&ecg=0

30 January 2010

Algumas esculturas interessantes

Peter Jansen













"VanAnaarBeter Award"



Geoffrey Mann


















"Attracted to light"

4 January 2010

Tooba - Shahrnoush Parsipour


"Mahdokht planted herself on the riverbank in the fall. She groaned throughout the fall. Her feet were slowly frozen into the ground. The cold autumn rain tore her clothes to shreds. She was left half naked in rags. She shivered until winter came, and then she froze. In mid-spring the tree in her body exploded. In an eternal metamorphosis the parts of Mahdokht separated from each other. She was in pain, and felt like she was giving birth. The tree had turned completely into seeds. A mountain of seeds. A strong wind blew the seeds of Mahdokht into the water. Mahdokht travelled with the water. She travelled all over the world."